NOAA afirma que El Niño está de volta e prevê chance de 84% de intensidade moderada

0
780
Foto: Divulgação

Segundo agência americana, fenômeno deve alterar regime de chuvas no Brasil durante a safra de verão

Em atualização divulgada na última quinta-feira (8), a Administração Oceânica e Atmosférica (NOAA) afirmou que o El Niño está de volta. De acordo com a publicação, com o aquecimento das águas do Pacífico a agência norte-americana prevê a permanência do fenômeno durante o inverno no Hemisfério Norte, ou seja durante o verão no Brasil.

“As chances de se tornar um evento forte estão em 56%. As chances de pelo menos um evento moderado são de cerca de 84%”, afirma a publicação.

Quer receber as principais notícias do AGRO Capixaba, do Brasil e do mundo no seu WhatsApp? Clique aqui e entre no grupo da Revista Procampo!

Ainda de acordo com o relatório, um  El Niño mais forte significa que a temperatura global, a chuva e outros padrões têm maior probabilidade de refletir os impactos esperados do El Niño. Desde o ano passado, o NOAA estava monitorando as possibilidades do retorno do El Niño.

Impactos 

Conforme explica a MetSul, o fenômeno pode mudar as condições do clima no mundo todo, favorecendo extremos de chuva e seca. “Em escala planetária, o El Niño – pelo aquecimento oceânico – eleva ainda mais a temperatura do mundo. Por isso, é quase um consenso que o mundo pode ter em 2024 o ano mais quente já observado na era instrumental, se 2023 já não bater o recorde antes”, afirma a consultoria.

Para o Brasil, a grande preocupação é com a redução das chuvas nas regiões Norte e Nordeste. O fenômeno climático pode favorecer os períodos de seca e temperaturas acima da média nessas áreas.

Depois de três anos com chuvas abaixo da média, o El Niño pode favorecer o excesso de chuva no Sul do Brasil, com destaque para o risco de cheias e enchentes no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina,

Segundo a MetSul, a condição também pode favorecer a incidência de temporais com ventania e queda de granizo nos próximos meses. “Especialmente no fim do inverno, com o período mais crítico de tempo severo na primavera e no verão. Podem ocorrer muitos temporais com estragos no sul do país”, complementa. (Notícias Agrícolas)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here