Exportações totais de carne bovina em maio caem 11% nos preços, mas sobem 11% no volume

0
265
Foto: Divulgação

No total, o faturamento atingiu US$ 965,2 milhões contra US$ 1,086 bilhão em maio do ano passado

Pelo quarto mês consecutivo, as exportações totais de carne bovina em maio apresentaram queda na receita (-11%), embora tenha se recuperado no volume (+11%). No total, o faturamento atingiu US$ 965,2 milhões contra US$ 1,086 bilhão em maio do ano passado. A movimentação foi de 200.849 toneladas frente a 180.387 toneladas em maio de 2022. O preço médio de maio de 2022 foi de US$ 6.030 por tonelada e o de maio de 2023 alcançou US$ 4.805 por tonelada. As informações são da Associação Brasileira de Frigoríficos (ABRAFRIGO), que compilou os dados da Secretaria de Comércio Exterior (SECEX), do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

Quer receber as principais notícias do AGRO Capixaba, do Brasil e do mundo no seu WhatsApp? Clique aqui e entre no grupo da Revista Procampo!

Segundo a ABRAFRIGO, no acumulado ano, as exportações totais proporcionaram uma receita de US$ 3,847 bilhões para uma movimentação de 840.419 toneladas, com quedas de 24% na receita e de 8% no volume, em relação ao mesmo período do ano passado, com US$ 5,086 bilhões e 909.362 toneladas, respectivamente. Nestes primeiros cinco meses de 2023, o preço médio obtido por tonelada foi de US$ 4.578. No ano passado, até maio, o preço médio foi de US$ 5.593.

A China continua absorvendo a maior parte da exportação brasileira de carne bovina. Em maio, o país importou 112.338 toneladas do produto, frente a apenas 40.909 toneladas em abril passado. Nos primeiros cinco meses do ano, as importações chinesas alcançaram 381.447 toneladas (45,4% do total) e a receita US$ 1,911 bilhão (49,7% do total). No ano passado, no mesmo período, as exportações apresentaram uma receita de US$ 2,922 bilhões e movimentação de 440.043 toneladas, sem os efeitos da suspensão das compras devido a confirmação do caso atípico de EBB (“vaca louca”).

Os Estados Unidos continuam em segundo lugar na lista dos 20 maiores clientes do Brasil. Nos primeiros cinco meses do ano compraram 93.307 toneladas, frente a 90.597 toneladas até maio do ano passado (+ 3%), com receita de US$ 413 milhões (queda de 17,3%, frente a US$ 499 milhões até maio de 2022). O Chile ficou em terceiro lugar, com compras de 30.874 toneladas em 2022 e de 34.447 em 2023 (+ 11,6%). Em quarto lugar, o Egito importou 38.579 toneladas neste ano, contra 66.813 toneladas no ano passado (-42,3%).

Hong Kong ficou na quinta posição, ampliando suas aquisições de 41.424 toneladas para 43.437 toneladas. Os Emirados Árabes ficaram na sexta posição, com importações de 21.697 toneladas em 2022 e de 22.837 toneladas em 2023 (+ 5,3%). No total, 71 países aumentaram suas importações nos cinco primeiros meses de 2023, enquanto outros 80 diminuíram. (Abrafrigo)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here