Consumo mundial de café deverá atingir 167 milhões de sacas de 60kg

0
89
Foto: Divulgação

Países consumidores deverão consumir 116,5 milhões de sacas e países produtores 50,5 milhões de sacas neste ano-cafeeiro 2020-2021

O consumo mundial de café no ano-cafeeiro 2020-2021 deverá atingir um volume físico equivalente a 167,01 milhões de sacas, o que representará um crescimento de 1,9% em relação ao ano-cafeeiro anterior, que foi de 163,9 milhões de sacas de 60kg. Nesse contexto, vale destacar que nos últimos 10 anos-cafeeiros o crescimento médio do consumo mundial foi coincidentemente de 1,9% ao ano.

Exclusivamente nos países importadores o consumo deverá ter um crescimento de 2,3% no ano-cafeeiro 2020-2021, com previsão de atingir 116,5 milhões de sacas. E nos países produtores tal consumo interno deverá aumentar 1%, somando 50,5 milhões de sacas. Portanto, o consumo interno nos países produtores de café deverá representar 30,2% do consumo mundial neste ano-cafeeiro 2020-2021. Dessa forma, estima-se que o consumo mundial de café continuará a crescer, tendo em vista o abrandamento das restrições relacionadas com a covid-19 e prospectos de recuperação econômica subsequente.

Esses números e dados estatísticos da performance do consumo da cafeicultura global, foram obtidos do Relatório sobre o mercado de Café – agosto 2021, da Organização Internacional do Café – OIC, instituição representativa da cafeicultura mundial, da qual o Brasil é país-membro. Tal Relatório encontra-se disponível na íntegra no Observatório do Café, do Consórcio Pesquisa Café, rede integrada de pesquisa coordenada pela Embrapa Café. Convém esclarecer que o ano-cafeeiro para a OIC compreende o período de outubro a setembro.

As estimativas da produção total no ano-cafeeiro 2020-2021 deverão totalizar 169,6 milhões de sacas de 60kg, com um aumento de apenas 0,4% em comparação com 169 milhões de sacas produzidas no ano-cafeeiro anterior. Em análise da produção das duas espécies de café produzidas comercialmente, calcula-se que a produção de café arábica deverá ter volume de 99,3 milhões de sacas e a de café robusta 70,4 milhões de sacas, o que representa respectivamente aumento de 2,3% e redução de 2,1% em relação aos volumes dessas espécies no ano-cafeeiro anterior.

Em nível regional, a produção mundial de café é agrupada pela OIC em quatro blocos econômicos. Dessa forma, a produção africana deve ser de 18,72 milhões de sacas e apresentar aumento discreto de 0,1% em comparação com 18,59 milhões no ano-cafeeiro anterior. A produção da Ásia & Oceania deverá diminuir 1,1%, de 49,45 milhões de sacas em 2019-2020 para 48,93 milhões em 2020-2021. A produção da América Central & México deverá diminuir 2,1%, perfazendo 19,19 milhões de sacas, sendo que no ano-cafeeiro 2019-2020 foi de 19,60 milhões de sacas. Um aumento de 1,9% está previsto para a produção da América do Sul, que deve alcançar 82,79 milhões de sacas, em comparação com 81,21 milhões em 2019-2020.

Com relação à produção de café do Brasil, o Relatório da OIC demonstra incertezas sobre o volume da safra, pois já estava previsto que a produção do país no ano-safra de 2021-2022, que começou em abril passado, sofreria uma queda significativa em decorrência da bienalidade negativa do café arábica no país e de estiagens que afetaram as regiões cafeeiras do país em 2020. E, além disso, a geada recente que danificou numerosos cafezais terminará por afetar negativamente a produção a partir do ano-safra de 2022-2023. Assim, a OIC destaca que autoridades cafeeiras do Brasil ainda estão avaliando as dimensões do impacto dessa geada no volume de produção. (Embrapa Café)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here