inpEV reforça importância da devolução correta de sobras de defensivos agrícolas

0
90
Foto: Divulgação

Assim como é feito com as embalagens vazias, os agricultores também devem devolver os resíduos desses produtos em cerca de 250 unidades de recebimento que integram o Sistema Campo Limpo

As sobras pós-consumo de defensivos agrícolas são resíduos de produtos químicos, devidamente registrados (vencidos ou não), que não serão mais utilizados. A destinação ambientalmente correta dessas sobras é promovida pelo Sistema Campo Limpo, gerido pelo Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (inpEV). Desde 2015, o programa brasileiro de logística reversa destinou de forma adequada mais de 777 toneladas de embalagens com resíduos.

Fique por dentro das novidades do AGRO Capixaba, Brasil e mais! Clique aqui e junte-se ao grupo exclusivo da Revista Procampo no WhatsApp!

A Resolução Conama 465, de 2014, permitiu a devolução das embalagens contendo sobras de defensivos – regularmente fabricados e comercializados – nas unidades de recebimento que integram o Sistema Campo Limpo. Atualmente, todas as 100 centrais e cerca de 150 postos de recebimento estão aptos a receber esses resíduos dos produtos. Assim como é feito com as embalagens vazias, os agricultores também devem seguir alguns procedimentos para devolverem as sobras de defensivos.

Passo a passo

O primeiro passo é fazer o agendamento eletrônico, em https://agendamento.inpev.org.br/, ou verificar a unidade de recebimento mais próxima que esteja apta a receber o produto. É importante reforçar que as sobras devem ser entregues dentro das embalagens, devidamente tampadas.  Por fim, o agricultor leva as embalagens com as sobras até a central ou posto de recebimento.

Quando chegam às unidades de recebimento, os resíduos são separados, entre sólidos ou líquidos. Logo após, são colocados em embalagens plásticas de resgate. Na sequência, seguem para barricas e ficam armazenados em um espaço devidamente segregado dos demais materiais. Ao final, o produto é encaminhado para incineração.

“Esse processo faz parte da logística reversa de defensivos agrícolas, segmento em que o Brasil é case de sucesso mundial. Vale observar que a incineração é um procedimento certificado e ambientalmente adequado. Se essas sobras não tiverem a destinação correta, podem causar danos ao meio ambiente e à saúde humana”, ressalta Antonio Carlos do Amaral, gerente de Operações do inpEV.

Mais detalhes sobre o processo de destinação correta de sobras pós-consumo de defensivos agrícolas no infográfico abaixo.

Divulgação

Sobre Sistema Campo Limpo e o inpEV

O Sistema Campo Limpo (SCL) é o programa brasileiro de logística reversa de embalagens vazias e sobras pós-consumo de defensivos agrícolas, que tem como base o princípio das responsabilidades compartilhadas entre todos os elos da cadeia produtiva (agricultores, fabricantes, registrantes e canais de distribuição), com apoio do poder público. Cada um tem seu papel e suas atribuições definidas por legislação específica.

O Sistema reúne mais de 256 associações de revendas e cooperativas e atende cerca de 1,8 milhão de propriedades rurais em todo o País, de acordo com o censo agrícola de 2017.

Com mais de 20 anos de atuação, o inpEV, Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias, é a entidade gestora do Sistema Campo Limpo, com o processo regulamentado pela Lei Federal nº 14.785/2023 e Decreto Federal 4.074/2002. É uma instituição sem fins lucrativos, formada por mais de 195 fabricantes e nove entidades representativas da indústria, canal distribuição e agricultores.

Mais informações sobre o inpEV e o Sistema Campo Limpo estão disponíveis no site www.inpev.org.br, no FacebookYoutubeInstagramLinkedIn e TikTok. (Comunicação inpEV)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here