China está tomando mais café e avança em mais de 200% nas compras do Brasil

0
179
Foto: Divulgação

Potência asiática agora é o 6º principal comprador de cafés do Brasil e setor enxerga futuro promissor

Há alguns anos o chá vem perdendo espaço para a segunda bebida mais consumida do mundo e os dados mais recentes mostram que a o país asiático tem, inclusive, consumido muito café do Brasil.

Em 2023, a China comprou 1,480 milhões de sacas de café provenientes do Brasil, o volume representa alta de 278,6% em comparação com 2022 quando a compra foi de 390.879 sacas. Com o volume do último ano a China, inclusive, saltou para a 6ª posição no ranking dos principais compradores de café do Brasil.

Quer receber as principais notícias do AGRO Capixaba, do Brasil e do mundo no seu WhatsApp? Clique aqui e entre no grupo da Revista Procampo!

Nas últimas duas décadas o consumo de café na China mais que dobrou, indo de 231 mil sacas de 60kg para 2,8 milhões em 2022. Os dados são da Organização Internacional do Café. Além disso, a potência asiática também ultrapassou os Estados Unidos como o maior mercado de cafeterias de marca no mundo, com 49.690 pontos de vendas, segundo a última análise do World Coffee Portal.

China
Fonte: Cecafé 

No Brasil, a expectativa do setor é que esse mercado alcance voos ainda mais altos nos próximos anos. Heberson Sastre, da Minasul, explica que o mercado trabalha com o cenário da China ser o país que mais vai avançar em termos de consumo de café entre os próximos 15 anos.

“Todos os exportadores estão de olho nesse mercado, é o que mais vai crescer. Cada região tem um foco na qualidade, mas maior fatia quer um café bom, bebida dura, mas nada de especial. O preço ainda fala mais alto que a qualidade”, afirma.

O avanço da tecnologia e ampliação das cafeterias em países que não são tradicionalmente consumidores de café chama atenção das lideranças do setor no Brasil. Além da China, outros países da Ásia vêm demonstrando um interesse maior por café.

Exportação
Fonte: Cecafé 

“As grandes redes estão surfando nessa onda, o que a gente observa daqui é esse movimento concentrado nessas grandes redes, mas a grande questão é o quanto nós do Brasil vamos participar desse crescimento por lá dado os países que estão mais perto como Vietnã, Indonésia, que também estão buscando aumentar suas produções e esse movimento de desglobalização que a gente tem, das cadeias de suprimentos mais próximas. O que me chama atenção hoje é realmente entender o quanto nós vamos ou não participar desse crescimento por lá”, comenta Juliano Tarabal – diretor executivo da Federação dos Cafeicultores do Cerrado.

Tarabal também afirma que é importante que o Brasil encontre formas de aumentar sua participação nesse mercado, primeiro por ser o maior player a nível mundo e principalmente porque Estados Unidos e Europa já têm um mercado consolidado. As chances de avanço na Ásia são maiores para o Brasil, mas ainda assim reforça que é importante acompanhar de perto a evolução produtiva nas origens produtoras que estão mais próximas.

“Em termos de organização de cadeia, capacidade produtiva e comercial, temos uma vantagem competitiva absurda frente aos demais países. Acredito que é um ponto de atenção pra gente estar olhando porque estamos falando de uma outra cultura. Esse movimento de desglobalização, a gente vê que quantos mais os países conseguirem diminuir as necessidades logística, eles vão fazer. Isso implica em menor custo, mais rapidez, uma série de questões, temos visto esse movimento”, afirma.

Mercado Japonês

No mercado Japonês, algumas ações em prol da promoção dos cafés sustentáveis já vêm apresentando resultados nos últimos anos. a Volcafe, trading internacional, que é membro do Consórcio Cerrado das Águas, tem desenvolvido o mercado japonês.

Em 2022, foi feita uma comercialização exclusiva para compradores do Japão, cujo lote era composto por cafés produzidos aplicando estratégias de Agricultura Climaticamente Inteligente, sob orientação do CCA, entregando qualidade, sustentabilidade e responsabilidade. O resultado culminou em uma nova procura por estes cafés, cujo desenvolvimento de mercado é feito pela Volcafe Japão em parceria com a unidade brasileira, coordenada pelo diretor comercial, Marcelo Pedroza.

De acordo com ele, a Volcafe Japão tem feito um trabalho de promoção dos cafés produzidos sob as estratégias PIPC conduzido pelo Consórcio Cerrado das Águas (CCA) e o retorno é um interesse crescente, tanto que nesta safra de 2023, houve uma comercialização de 150 sacas de um dos produtores da plataforma, cujo trader da Volcafe Japão esteve pessoalmente em missão realizada pelo CCA, em março, para conhecer de perto as estratégias, os produtores e o trabalho realizado de forma colaborativa. (Notícias Agrícolas|Virgínia Alves)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here