Projeto de Lei propõe equiparação tributária entre café arábica e conilon no Espírito Santo

0
714
Foto: Divulgação

Espírito Santo é o maior produtor de café conilon do país, mas atualmente aplica alíquotas diferenciadas de 7% para o arábica, e 12% para o conilon

Uma nova lei proposta no Espírito Santo planeja corrigir uma discrepância tributária relacionada ao café conilon, que sobrecarrega a produção. O Espírito Santo é o maior produtor de café conilon do país, mas atualmente aplica alíquotas diferenciadas de 7% para o arábica, e 12% para o conilon, tornando o estado menos competitivo em relação a outros e incentiva a sonegação de impostos. Conforme o site da Confederação Nacional dos Agricultores (www.cnabrasil.org.br), a sonegação de impostos sobre o preço do café conilon é a maior do país, incentivando a fraude fiscal.

Quer receber as principais notícias do AGRO Capixaba, do Brasil e do mundo no seu WhatsApp? Clique aqui e entre no grupo da Revista Procampo!

A proposta de mudança na lei é de autoria do deputado estadual Lucas Polese, do Partido Liberal (PL). O projeto de lei visa equiparar a tributação do conilon com a do arábica, o que pode aumentar a produção e o comércio, além de reduzir a sonegação de impostos e o escoamento de produção para outros estados. A mudança na alíquota do ICMS sobre o café conilon será feita por meio da alteração do Inciso XIV, do art. 5-A, da Lei 7000, de 27 de dezembro de 2001, que trata do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação – ICMS.

Polese argumenta que a equiparação tributária é justa e necessária para estimular a produção e o comércio no Espírito Santo, além de reduzir a sonegação e o escoamento de produção para outros estados. A tributação excessiva do café conilon é considerada uma distorção que precisa ser corrigida para tornar o estado mais competitivo e fortalecer a economia local.

”Enquanto em todos os outros estados do país as alíquotas do ICMS são de 7% para ambos os tipos de café, aqui no Espírito Santo as alíquotas para o conilon são de 12%, tornando nosso estado menos competitivo em relação aos demais. Isso é uma grande distorção tributária que precisa ser corrigida. Estamos perdendo milhões de reais. O Espírito Santo, os agricultores e os capixabas precisam deste projeto”, afirmou Polese.

Além de beneficiar os produtores de café, a mudança na lei pode aumentar a arrecadação do Espírito Santo, já que a redução da alíquota pode resultar na diminuição da sonegação, conforme indicado pela teoria da “Curva de Laffer”. (Opinião ES)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here