Exportações dos Cafés do Brasil atingem volume físico de 39,35 milhões de sacas e receita cambial recorde de US$ 9,23 bilhões em 2022

0
451

Valor médio da saca de 60kg dos cafés brasileiros exportados para 122 países foi de US$ 234,64, maior preço dos últimos cinco anos

As exportações dos Cafés do Brasil, no último ano de 2022, as quais foram realizadas para 122 países, atingiram receita cambial recorde de US$ 9,23 bilhões, montante que representou um incremento bastante expressivo na arrecadação de 46,9%, caso tal performance seja comparada com os US$ 6,28 bilhões contabilizados no ano anterior. Entretanto, em termos de volume físico, o país exportou o equivalente a 39,35 milhões de sacas de 60 kg, número que denotou uma ligeira queda de 3,1%, na comparação com o volume exportado em 2021.

Neste contexto, merece destaque o fato de que a espécie de Coffea arabica (café arábica) foi, tradicionalmente, de forma absoluta, a mais exportada dos Cafés do Brasil, em 2022, com vendas que somaram 34,07 milhões de sacas de 60kg aos países compradores, volume que equivale a 86,6% do total das exportações do País.

Na segunda colocação, verifica-se que o café solúvel registrou em exportações o correspondente a 3,72 milhões de sacas, que equivalem a 9,5% do total vendido no mesmo ano. Na sequência, figura a espécie de Coffea canephora (robusta + conilon), com a exportação de 1,50 milhão de sacas (3,8%), e, adicionalmente, os cafés torrado e torrado e moído, com vendas que somaram 47,74 mil sacas de 60kg, que equivalem a apenas 0,1%, totalizando, assim, 100% das exportações realizadas em 2022.

Adicionalmente, também merece destacar o fato de o dólar comercial ter-se mantido acima de R$ 5 ao longo de quase todo o ano de 2022, objeto desta análise, bem como as cotações do café terem ficado em níveis satisfatórios nesse período, fatores conjugados que contribuíram diretamente para que o preço médio da saca de 60kg atingisse, em média, US$ 234,64, o qual foi o maior registrado nos últimos cinco anos, haja vista que tal cotação teve um incremento de 52% em relação ao ano anterior.

Convém esclarecer que esta divulgação, ora em tela, por meio do Observatório do Café, tem como referência o Relatório mensal de exportações de dezembro 2022, do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil – CECAFÉ, o qual divulga mensalmente dados estatísticos do setor cafeeiro brasileiro e internacional, números que estão fundamentando a presente análise do referido Observatório, no âmbito do Consórcio Pesquisa Café, coordenado pela Embrapa Café.

Complementando esta análise, vale ainda enfatizar que os cafés diferenciados, segundo os critérios e regramentos do Cecafé, que são os que possuem qualidade superior ou alguma certificação de práticas sustentáveis, responderam por 17% das exportações totais brasileiras do produto em 2022, ao totalizarem 6,70 milhões de sacas de 60kg. Esse volume físico representa uma queda de 12,6%, na comparação com as 7,66 milhões de sacas exportadas em 2021. Entretanto, como o preço médio desse produto diferenciado foi de US$ 281,26 a saca de 60kg, tais vendas proporcionaram uma receita de US$ 1,88 bilhão, valor que correspondeu a 20,4% do total obtido com as exportações dos diversos tipos de café em 2022.

Finalmente, convém destacar, conforme consta dos dados estatísticos do Relatório em pauta do CECAFÉ, os países que mais importaram Cafés do Brasil no ano de 2022. Assim, verifica-se que os Estados Unidos, tradicionalmente, lideram a lista dos maiores compradores do produto, com a aquisição de volume físico equivalente a 7,98 milhões de sacas de 60 kg, número 2,1% maior do que o importado em 2021, e, mais que isso, equivalente a 20,3% do total exportado pelo Brasil em 2022.

Na sequência, utilizando o mesmo critério de avaliação anterior de países compradores dos Cafés do Brasil, vêm Alemanha, com a aquisição de 6,84 milhões de sacas (+4,2% e participação de 17,4% do total vendido); Itália, com 3,35 milhões de sacas (+13,7%, que correspondem a 8,5% do total); Bélgica, com 2,92 milhões de sacas (+2,7% e 7,4% do total); e, por fim, o Japão, que importou 2,87 milhões de sacas de 60kg, performance que implicou uma redução de 25,5%, na comparação com o vendido para esse país no ano anterior, cujas exportações equivaleram a 4,8% do total exportado pelos Cafés do Brasil em 2022. (Embrapa Café)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here