Volcafe eleva previsão de déficit de café para novo recorde

0
769
Foto: Divulgação

Déficit será 3,4% maior do que a última previsão

O déficit global de café será ainda maior do que o esperado devido a condições climáticas extremas e atrasos nos embarques que afetam o mercado global, segundo a operadora Volcafe.

O déficit será 3,4% maior do que a última previsão, somando quase 12 milhões de sacas na temporada 2021-22 que começa em outubro na maioria dos países, disse a unidade de café da trading de commodities ED&F Man Holdings, em relatório visto pela Bloomberg. O déficit seria recorde e reverteria o superávit do ano anterior.

Os preços do café acumulam alta de 49% este ano sob o impacto do clima seco na produção do Brasil, o maior produtor mundial, enquanto geadas reduzem o potencial da colheita do próximo ano. Além disso, o coronavírus atinge cadeias de suprimento e deixa algumas das maiores regiões consumidoras de café do mundo dependendo de estoques.

“Um trágico aumento dos casos globais de Covid-19 impulsionados pela variante delta afetou ainda mais os embarques de contêineres”, disse a Volcafe. A trading destacou que o ressurgimento da pandemia, juntamente com condições climáticas extremas nas regiões de cultivo de grão arábica no Brasil, além do déficit global recorde de café, tem elevado os preços futuros aos maiores níveis em vários anos.

A produção de arábica no Brasil – que já indica queda devido à entrada no ciclo bianual de baixa produtividade – será de 30,9 milhões de sacas em razão do clima seco, prevê a Volcafe. O volume é 2,1 milhões de sacas mais baixo do que a previsão anterior e indica a menor safra em 14 anos. Uma saca de café pesa 60 quilos.

O clima seco também reduziu o potencial de produção do próximo ano em quase 5 milhões de sacas, enquanto as geadas danificaram outras 4 milhões de sacas, disse a operadora. Tudo isso deixa o Brasil com uma safra potencial de arábica de 45 milhões de sacas para o próximo ano.

A demanda por café deve crescer 1,5% na temporada que começa em outubro, abaixo da média de longo prazo de 2,4%, segundo o relatório. Ainda assim, os estoques tendem a cair nos países consumidores devido à crise de contêineres.

“A piora da situação dos embarques de contêineres desafia as cadeias de suprimento nas principais rotas de comércio de café”, o que resulta em queda mais rápida dos estoques nos destinos, disse a Volcafe. (Yahoo! Finanças)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here