Brasil está de portas abertas para importadores japoneses de café, diz ministra

0
220
Tereza Cristina apresenta cafés especiais brasileiros em cafeteria de Tóquio. Foto: Comunicação Mapa

Tereza Cristina promoveu cafés especiais para consumidores em conceituada cafeteria de Tóquio. O Japão é o quarto maior comprador do café brasileiro

Em seu segundo dia visita ao Japão, a ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) tomou um “cafezinho” com importadores japoneses de cafés especiais brasileiros. A ministra e delegação participaram da promoção de cafés especiais nacionais na UCC Coffee Academy, reconhecida escola de barismo de Tóquio pertencente à Ueshima Coffee Company (UCC), maior torrefadora do Japão.

Os mais de 100 convidados tiveram a oportunidade de degustar várias amostras de cafés com aromas diferenciados, como do cerrado mineiro. A ideia é aumentar o consumo do produto pelo Japão e demais países da Ásia, continente considerado a nova fronteira para o mercado do café. O evento foi uma parceria da Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do ministério e a Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA).

O Japão é o quarto maior comprador do café brasileiro, ficando atrás de Estados Unidos (1º), Alemanha (2º) e Itália (3º). De janeiro a dezembro de 2018, os japoneses importaram 2,484 milhões de sacas/60 Kg, conforme dados do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil. O mais comprado é o arábica. De janeiro a 31 de março deste ano, foram importadas mais de 759 mil sacas.

Tereza Cristina lembrou que o café é um dos mais antigos produtos exportados pelo Brasil e destacou que os japoneses estão ajudando a transformá-lo de uma commodity para um produto gourmet.

“O Ministério da Agricultura do Brasil não só apoia e também tem as portas abertas para facilitar todos aqueles que importam e fazem do nosso café esse produto espetacular”, disse. Antes do evento de promoção, ela teve um encontro com o CEO da UCC, Fumihiko Asada.

Já o embaixador do Brasil no Japão, Eduardo Saboia, ressaltou a influência dos imigrantes japoneses nos cafezais brasileiros. E classificou o café como o ”produto brasileiro de exportação mais japonês”. “Quando convidamos alguém para tomar um cafezinho é um gesto de amizade, que ultrapassa as fronteiras geográficas, culturais”.

No ano passado, as duas nações comemoraram 110 anos da chegada dos primeiros imigrantes japoneses em terras brasileiras. Atualmente, quase 2 milhões de descendentes vivem no Brasil, a maior comunidade japonesa fora do país.

Carnes e abacate

A ministra Tereza Cristina reforçou a expectativa brasileira para abertura dos mercados de carne bovina e abacate. “Tenho certeza que os japoneses ficarão muito satisfeitos com o gosto e a qualidade da carne brasileira”, disse, em entrevista à imprensa.

Ontem (9), a ministra discutiu os temas com os colegas da Agricultura e Saúde do Japão. Os debates sobre a liberação das vendas desses produtos devem ser retomados durante o Quarto Diálogo Brasil-Japão, que ocorrerá em agosto deste ano em território brasileiro.

Encontro G20

Neste final de semana, Tereza Cristina participa da Reunião dos Ministros da Agricultura do G20, em Niigata, e terá encontros bilaterais com autoridades de diversos países. (Mapa)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here