Avanço científico impulsiona crescimento das culturas em 40%

0
279
Foto: Divulgação

Processo envolve evitar perdas com a fotorrespiração

Um processo que aumenta o crescimento das culturas em 40% foi uma das inovações apresentadas na reunião anual da Associação Americana para o Avanço da Ciência, que destacou novas formas de abordar a fome através de descobertas agrícolas. O processo cria um “atalho” que permite superar o que os pesquisadores consideram um “fracasso” que afeta a fotossíntese da maioria das culturas no mundo.

“As plantas têm três chaves para produzir o alimento que nós comemos: captura de luz solar, usar essa energia para produzir biomassa vegetal e desviar a maior quantidade possível de produção de biomassa como grãos de milho ou amido de batata” disse Donald Ort, professor de biologia vegetal e ciência das culturas no Instituto Carl R. Woese de Biologia Genômica, em Illinois.

O trabalho faz parte do projeto de pesquisa internacional Realizing Increase Photosynthetic Efficiency (RIPE), dedicado a projetar culturas que desenvolvem a fotossíntese de forma mais eficiente, visando aumentar de forma sustentável a produtividade mundial dos alimentos.  Os pesquisadores, usando genes de algas e abóboras, conceberam três alternativas para substituir o caminho da fotorrespiração nativa em rotas de rapé, uma planta que tem sido utilizada como modelo antes de que a tecnologia seja transferida para muitas culturas alimentares mais difíceis.

“É incrível imaginar as perdas por fotorrespiração cada ano representam muitas calorias em todo o mundo”, disse Ort, que afirmou também que “recuperar mesmo uma parte dessas calorias seria um grande sucesso” em sua carreira para alimentar 9.700 milhões de pessoas em 2050. (Agrolink)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here