Pesquisas sobre a cultura do mamão são desenvolvidas no Espírito Santo

0
181
Foto: Divulgação

O Espírito Santo é um dos maiores produtores de mamão do Brasil. O Estado também ostenta o título de maior exportador nacional do fruto. E os trabalhos relacionados à pesquisa científica para promover soluções aos produtores capixabas são coordenados pelo Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper).

A Rede Fruticultura Mamão, que faz parte do Edital PPE Agro Fapes/Seag 06/2015, coordenada pelo pesquisador do Incaper Renan Batista Queiroz, reúne pesquisas científicas desenvolvidas por diversas instituições. Os assuntos estudados foram definidos com base em um diálogo com a Associação Brasileira de Produtores e Exportadores de Papaya (Brapex), que apresentou as demandas dos produtores para que os pesquisadores desenvolvessem seus projetos.

Foto: Asscom Incaper

Ao todo seis projetos estão sendo desenvolvidos, sendo quatro deles coordenados por pesquisadores do Incaper. Os temas estudados pelos pesquisadores do Instituto estão voltados para o manejo e controle (químico e biológico) de pragas e doenças do mamoeiro e a seleção e qualidade dos frutos. Veja:

  • Identificação e manejo de insetos vetores do vírus da meleira do mamoeiro – Renan Batista Queiroz;
  • Avaliação do segundo ciclo de seleção recorrente do mamoeiro ‘RUBI INCAPER 511’ para melhor qualidade de frutos – Fabíola Lacerda de Souza Barros;
  • Controle químico das doenças fúngicas do mamoeiro na pré-colheita com reflexos na pós-colheita e avaliação in vitro da resistência do Colletotrichum gloeosporioides aos fungicidas utilizados em campo – Karin Tesch Kuhlcamp;
  • Controle biológico aplicado do ácaro rajado do mamoeiro Tetranychus urticae (Acari: Tetranychidae) pelo ácaro predador Neoseiulus idaeus (Acari: Phytoseiidae) – Cesar José Fanton.

A Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) também participa da Rede, com trabalhos relacionados à fitossanidade (Desenvolvimento e avaliação do efeito de novos triazóis a partir do eugenol como método alternativo de controle fitossanitário – Adilson Vidal Costa) e ao desenvolvimento de um mamoeiro resistente à meleira (Metodologia para a detecção da meleira do mamoeiro e desenvolvimento biotecnológico de um mamoeiro com expressão gênica modificada resistente à doença – Patricia Machado Bueno Fernandes). A Universidade Federal de Viçosa (UFV) é outra instituição envolvida nos estudos.

A fim de apresentar os resultados, o andamento e as dificuldades de cada projeto, a Rede Fruticultura Mamão realizou uma reunião no Laboratório de Biotecnologia da Ufes- Campus Maruípe. O encontro contou com a participação de vários pesquisadores envolvidos nos projetos.

“Nosso objetivo foi justamente apresentar o andamento dos projetos de acordo com os objetivos e metas que haviam sido traçados, além de promover uma integração entre as instituições e os pesquisadores. Além da apresentação dos resultados, a reunião foi importante para estreitar as relações entre os pesquisadores da Rede Fruticultura Mamão, que puderam ver de perto as estruturas e equipamentos do laboratório de Biotecnologia, visando futuras parcerias. Tudo isso vai ao encontro da proposta de formação de rede do Edital, que visa a aproximação dos pesquisadores, bem como a integração dos projetos que compõem a rede”, disse Queiroz. (Fonte: Assessoria Comunicação Incaper)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here